Histórias de Itaipu.


                                                                     ITAIPU.





Mestre CAMBUCI, pescador artesanal, descendente de família tradicional da Praia de ITAIPU.

Por terra, a uma dúzia de quilômetros bem rodados, a partir da estrada da Cachoeira, e por mar, à direita, a boreste de quem entra na baía de Guanabara, fica a bucólica e pitoresca praia de Itaipu.

O nome "Itaipu" vem do tupi e significa "Barulho da Água da Pedra", através da junção dos termos itá ("pedra"), 'y ("água") e pu ("barulho").

A ocupação humana do bairro é muito antiga: seus primeiros habitantes foram povos pescadores e coletores que deixaram, vestígios de sua presença, um sambaqui( do tupi tamba'kï; literalmente "monte de conchas")
encontrado na região da Duna Grande em Itaipu, considerado o sítio arqueológico mais importante do Brasil.
A beleza natural de Itaipu tem conseguido ainda se manter, apesar dos impactos da urbanização, que teve sues primeiros raios em 1755
Com a chegada dos portugueses, no século XVI o lugar passou a se destacar na produção de açúcar, cachaça, farinha de mandioca e pescado. Testemunhos dessa época são a Igreja de São Sebastião, a qual foi construída por padres Jesuítas, em uma colina pitoresca, olhando para o mar (concluída em 1716).

Outra construção importante e que hoje abriga o museu arqueológico de Itaipu, foi o recolhimento  de Santa Tereza, construído por Manuel Rocha no ano de 1764, se destinava  a mulheres desejosas de fazer retiro espiritual para expiação de culpas.



Fachada da entrada do antigo Recolhimento.


 O recolhimento estava ligado à igreja matriz. Erguera-se no local [do recolhimento], antes de 1716, uma capela elevada em 1721 a sede paroquial. Em 17 de junho de 1764, foi inaugurado o Recolhimento de Santa Tereza, recebendo a primeira retirantes, entretanto como era vedado aos bispos aprovar tais exceções, e não podendo o Recolhimento funcionar sem autorização régia, o Bispo Dom José Joaquim Justiniano representou ao Vice-Rei Luís Vasconcelos de Souza e, por intermédio deste, a Rainha D.Maria confirmou a instituição, permitindo-lhe consagrar-se à finalidade para a qual fora criada.
é uma construção sólida de alvenaria e de pedra com molduras de cantaria, foi utilizado como argamassa conchas moídas misturada ao óleo de baleia, que podem ser vista pelos visitantes nas paredes do museu.




 A predominância de suas linhas planas, retangular, essencialmente horizontais e, devido à pouca altura do pé direito, e à grande largura dos vãos, dá-lhe um aspecto de calma e solidez. Ao fundo  há uma capela ainda coberta, com porta almofadada e ferragens primitivas. Um aspecto pitoresco está no fato de que tal capela fora utilizada como cadeia local.

Entre 1890 e 1943, Itaipu pertenceu ao município de São Gonçalo, cidade do Estado do Rio de Janeiro. Passando após esta data a integrar o território do município de Niterói até hoje.. Em 1977, o Museu de Arqueologia de Itaipu passou a funcionar nas instalações do antigo Recolhimento de Santa Tereza.

Itaipu tem  várias aptidões a satisfazer aos mais exigentes gostos. É sem dúvida alguma um balneário turístico, sendo a única praia mansa de águas claras,  da região oceânica de Niterói (fora da barra da baía de Guanabara), com numerosos restaurantes especializados e frutos do mar e pousadas.
 Aos amantes da história, Itaipu é um celeiro de saberes e registros, encontra-se no entorno da Praia de Itaipu a DUNA Grande, também conhecida localmente como Morro da Peça, referência a uma peça de canhão o qual ficava posicionado no cume da Duna apontado para o mar, servindo de defesa aos ataques piratas, frequentes na época. Hoje essa peça de artilharia ornamenta a praça de Itaipu. Essa Duna é na verdade um precioso SAMBAQUI, considerado como o sítio arqueológico mais importante do Brasil, tombado pelo IPHAN, como também o é o Recolhimento de Santa Tereza, hoje Museu Arqueológico de Itaipu.

A laguna de Itaipu é um espetáculo a parte, integrando o seu entorno ao PESET (PARQUE ESTADUAL DA SERRA DA TIRIRICA), área de preservação permanente, do qual faz parte o Morro das Andorinha, majestoso promontório que avança para o mar em direção as ilhas e divide a enseada de Itaipu de enseada e Itacoatiara, e a enseada do Bananal, monumentos naturais, que podem ser visitados, especialmente aos amantes das caminhadas por trilhas.


Aos apaixonados pela pesca, existe um costão rochoso e três ilhas, onde se encontram uma abundância e diversidade de espécies marinha, algo entre 150 e 180 espécies de organismos marinho, comparável aos encontrados no arquipélago da silhas Cagarras, hoje transformado em Monumento Natural.

 No canto sul de Itaipu encontra-se a colônia de pescadores Z7, que ainda hoje desenvolve a atividade pesca artesanal tradicional, utilizando canoas centenárias,feitas de um só tronco de árvores. Tal atividade está tombada pelo INEPAC.  Até a década de 1970 a intensa pesca da tainha, peixe que ocorria com abundancia em Itapu. Tão importante era esse peixe para a comunidade tradicional de Itaipu, que sua pesca era ritualizada, dando o desenho e a conformação daquela comunidade pesqueira. Hoje não mais existe essa pesca e por conseguinte desapareceu o ritual de sua captura, trazendo profundas mudanças no modo de vida da comunidade que teve de se adaptar a outras formas de pesca.( em outro tópico abordarei como se realizava a pesca da tainha em Itaipu).


Canoa de arrastão de praia do mestre Natalino.
Arquivo de Ricardo Pinto.

As canoas, eram feitas de um só tronco de madeira, em geral com o CEDRO, madeira n obre, resistente e ao mesmo tempo leve.

Notem na foto, além da tradicional canoa de arrastão de praia, vê-se as três ilhas, integrante do Parque Estadual Serra da Tiririca (PESET). Na primeira  ilha ou também chamada ilha da Filha ou ilha das Pimentas ou ainda ilha da Menina, existiam vários coqueiros, hoje não mais existem, os quais desapareceram por ação das queimadas na Ilha.

A Orla.





A Orla da praia de Itaipu se constitui de uma linda enseada de águas claras e calmas, está localizada no 2º distrito do município de Niterói. Tem um comprimento de 3,5 Km no eixo leste-oeste no litoral sudoeste do Estado do Rio de Janeiro e segundo a carta náutica nº1501 do DHN/Min.Mar tem como coordenadas 43°22’48” de Longitude Oeste e 22°53’14” de Longitude Sul.


A praia é limitada por duas majestosas formações rochosas, no canto Sul pelo magnífico Morro das Andorinha, formação basáltica a qual avança para o mar e, onde termina o Morro das Andorinha se iniciam as três ilhas existentes em Itaipu; denominadas de Ilha da Filha ou das pimentas; Ilha da Mãe ou ilha do meio e a Ilha do Pai, ou os Paios; Ao avançar para o mar o Morro das Andorinhas cria uma proteção natural um”embate”para a enseada , tornando as águas abrigas, secularmente utilizada como abrigo de embarcações, este local é denominado como “Canto do Prato”.

Do lado oposto, após descrever uma suave curvatura, há outra formação rochosa, a ponta da Galheta, também conhecido como “Canto do Ponte”, a qual separa a pria de Itaipu da praia de Piratininga. Com o encalhe do navio "CAMBOINHAS", e de tanto as pessoas daquela época falarem do encalhe, essa parte da praia de ITAIPU passou a se chamar CAMBOINHAS.


Ao final da praia de ITAIPU,(camboinhas), existe uma linda enseada chamada, A Praia do Sossego, que se constitui deé uma pequena faixa de areia entre dois promontórios o Canto do Ponte e Piratininga.


A praia do sossego, está em processo para reivindicar o status de praia com selo Azul.










Itaipu, enseada historicamente habitada por povos pescadores e coletores primitivos,





cujo testemunho de sua existência é o sítio arqueológico da Duna Grande (sambaqui),




 desenvolveu-se uma comunidade tradicional de pescadores que sobrevive até os dias de hoje, com suas práticas, petrechos como as canoas de um só tronco as redes de arrastão e seu modo de vida, o qual muito contribuiu para preservação da região, preservação tanto cultural, como ambiental. É uma riqueza de (... cont.)

Fonte:
Ricardo Pinto.




Nenhum comentário:

Postar um comentário